Arquivo de outubro \02\UTC 2007

Resenha: The Pragmatic Programmer

Acabei de ler um dos clássicos da literatura de desenvolvimento de software: The Pragmatic Programmer, de Andy Hunt e Dave Thomas. Os nomes na capa não são esses, mas os caras já são figuras tão carimbadas que todo mundo já conhece os apelidos.

Este livro deve ser um dos maiores culpados pela disseminação — e posterior perda de significado — do termo “pragmático”. A essa altura a palavra já percorreu todo o caminho rumo à terra perdida dos termos de efeito. Talvez a intenção original dos autores tenha sido boa, mas a decisão de usar o termo como um tipo de marca registrada (Pragmatic Press, Pragmatic Unit Testing, etc.) com certeza não ajudou a preservar o significado original.

Não é à toa que o livro é indicado pelos melhores programadores que conheço e virou um clássico moderno. A desvirtuação do termo muito provavelmente foi conseqüência disso: muita gente talentosa comentando e muita gente não tão talentosa assim lendo somente o prefácio. Os capítulos são auto-contidos e parecem muito com textos de blogs (e digo isso como elogio). O estilo é bem informal, gostoso de ler e sempre abarrotado de referências relevantes — tanto internas quanto externas (uma das piores coisas do mundo é gente que só faz referência ao próprio trabalho).

As páginas estão repletas de conselhos sábios de dois dos mais geniais praticantes da arte da programação. Lá pode-se encontrar as práticas óbvias que sempre são ignoradas como usar controle de versão para tudo, preferir formatos de texto puro e dominar um ambiente de linha de comando. Além disso há discussões sobre como organizar equipes, sobre linguagens específicas de domínio e, claro, o mundialmente famoso princípio DRY. Não se vê citações de institutos de pesquisa obscuros para provar nenhum argumento. Ao invés disso, tudo é muito bem argumentado com bastante lógica, sensatez e experiência.

O texto é digerível para os novatos sem se tornar entediante para os veteranos. Às vezes é necessário dar um desconto para o tom fundamentalista do texto (o que é um certo paradoxo para algo com o termo “pragmático” no título), mas em geral a relevância dos conselhos é das mais altas. Este certamente é um daqueles livros que todo programador deveria ler e reler periodicamente.



Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.