A última palavra em rastreabilidade

A versão 0.5 do Motiro vai incluir um meio de acompanhar funcionalidades: saber o que entra no próximo release, o que fica de fora e votar no que você acha mais importante. Isso é bom para as equipes, que vão conhecer a vontade dos usuários e priorizar seu trabalho de acordo. Também é bom para os usuários, que vão saber o que esperar da evolução da aplicação e, melhor ainda, influenciar nesta evolução.

O Motiro já tem um pouco de integração com sistemas de controle de versão e, por isso, tive a grande idéia: prover algum meio de ligar um trecho de código à funcionalidade correspondente (“Este código aqui é para realizar a tradução da página”). Com isso poderíamos rastrear trechos de código para requisitos de usuário e vice-versa.

Acontece que minha idéia não é tão boa assim.

Na verdade, eu até diria que é uma má idéia. Fazer rastreamento desse jeito é jogar trabalho fora. Rastreabilidade é uma coisa ótima, mas acontece que no Motiro já usamos o que há de mais novo em termos de rastreabilidade.

Não, não temos nenhuma arma secreta escondida que não esteja publicada no site do projeto ou no próprio código fonte. Não usamos nenhuma ferramenta complicada, não desenhamos nenhum diagrama e muito menos mantemos uma matriz potencialmente gigantesca.

Não temos nada disso. Mas o Motiro é testado.

Nenhuma funcionalidade é desenvolvida e nenhum defeito é corrigido sem o teste correspondente. Portanto, para todo requisito há pelo menos um teste e descobri-lo é fácil, tão fácil quanto olhar seu título. Se quero saber que trecho de código implementa uma funcionalidade qualquer, é só olhar que trecho de código é executado pelo teste correspondente. Se quero saber por que alguma linha foi escrita, basta apagá-la e ver que teste falha.

Essa abordagem para rastreamento, ao contrário das outras que citei, não exige nenhum esforço extra por parte da equipe de desenvolvimento. Afinal, qualquer equipe que esteja realmente interessada em produzir software de qualidade vai ter algum mecanismo automático para verificação. Na maioria dos casos esse mecanismo é um conjunto de testes automáticos.



%d blogueiros gostam disto: