Aprender, praticar (e aprender um pouco mais)

Este é o segundo artigo de uma série de três derivados de uma palestra apresentada na FAPE em outubro de 2006.


Prática certamente é uma Boa Coisa™. Eu até acredito que tem algumas coisas que não dá para aprender sem praticar. Para estas (e elas são muitas) é mais interessante estudar um pouco, praticar um pouco, depois estudar mais um pouco e repetir o ciclo eternamente. Você não pode dizer que sabe sobre alguma coisa antes de usá-la de verdade. Mas conhecimento prático somente, não é suficiente.

Se eu quiser programar, por exemplo, não basta que eu devore o manual de alguma linguagem de programação e comece a escrever meus próprios programas. Eu até posso fazer isso, se eu quiser só programar. Mas se eu quiser fazer bem, é preciso estudar como quem já está nessa há mais tempo faz as coisas. Se eu simplesmente me trancar no meu quarto de madrugada para programar, a excelência vai ser um objetivo distante. Alcançável, mas bastante distante. É preciso ler código dos outros, procurar por construções comuns em vários programas e identificar boas práticas.

Mas isto não é o bastante. Se eu quiser mesmo ser Bom com ‘B’ maiúsculo, vou precisar estudar algumas coisas que aparentemente não têm nada a ver com o ofício da programação. Coisas como teoria dos grafos, protocolos de comunicação entre computadores e inteligência artificial. Mesmo que eu ache que não vá usar diretamente nada disso, é bom me expor pelo menos um pouco a estes assuntos.

Estudar tudo isso vai alargar meus horizontes de conhecimento. Eu não vou saber nenhum desses assuntos a fundo, mas vou saber que há outros mares para explorar, novas possibilidades. Assim podemos traçar paralelos e estabelecer analogias que podem levar a idéias geniais. Não é preciso mais do que uma breve exposição para isso.

Ter uma noção de cada assunto é ter conhecimento horizontal. É o conhecimento usado para chegar a uma dessas analogias que fazem a maior diferença. Também é o conhecimento usado para impressionar os outros. Você não precisa saber muito de comunicação de computadores para falar em rotedores, pacotes e protocolos.

Se tudo que você quer é ter assunto para conversar, conhecimento horizontal é o que você precisa. Para resolver problemas interessantes, é preciso conhecimento vertical. É preciso se aprofundar em algum nicho, se especializar.

Muitas tecnologias populares começam em pequenos nichos. São usadas por muito pouca gente no início, mas um dia alguém com visão resolve aplicá-las em um contexto diferente e a coisa explode. A Internet é um exemplo disso. Ela começou como forma de comunicação entre centros universitários e era usada também para troca de dados militares. No final da década de 80 e início dos anos 90, foi desenvolvida a base para a Web moderna e a partir daí a coisa explodiu. Claro que isso é uma simplificação da realidade (e o que não é?), mas ilustra o ponto de que um especialista que estuda um assunto a fundo pode ver oportunidades que os demais nunca vão imaginar.

Mas especialização demais também pode ser uma armadilha. Ela começa a ser perigosa à medida que se desiste do conhecimento horizontal pelo vertical. Fazer isso é desistir de idéias brilhantes ligando um campo do conhecimento ao outro. Especialização demais pode estreitar a visão a ponto de só permitir enxergar o próprio nariz.

1 Response to “Aprender, praticar (e aprender um pouco mais)”


  1. 1 Ivan Sanchez 14/nov/2006 às 20\0815

    Parabéns pelo artigo! Uma curiosidade: entre conhecimento vertical ou horizontal, qual você dá maior prioridade?


Comments are currently closed.




%d blogueiros gostam disto: