Você batiza seus bugs?

O título era para ser outro. Algo como “Você batiza suas sugestões de funcionalidade, pedidos de mudança, tickets, estórias de usuário ou seja lá como você gosta de chamar as solicitações de melhoria para suas aplicações?”, mas acho que ficaria um pouco longo demais. Resolvi generalizar tudo para “bugs”, mas por favor não se irrite se não escolhi seu termo favorito. Com uma lista de termos tão longa quanto essa, é difícil conseguir agradar a todos.

Uma vez trabalhei junto com alguns amigos em um jogo. Um jogo é só um programa de computador e, assim como qualquer programa de computador, acaba adquirindo alguns defeitos durante o desenvolvimento. A peculiaridade dos jogos é que eles costumam imitar o mundo real, tornando mais fácil fazer associações e analogias.

Nosso jogo tinha alguns defeitos particularmente interessantes. Um deles fazia com que alguns personagens começassem a se deslocar em uma direção que não coincidia com a animação exibida. Dava para ver o boneco tentando andar na diagonal enquanto o deslocamento real era na horizontal. Ficávamos entretidos olhando aquilo e acabamos inventando um nome para o defeito: Moonwalker, uma referência ao passo de dança popularizado por Michael Jackson.

Outro defeito tinha a ver com liberação de memória. Em algum ponto do código, estávamos liberando erroneamente a memória usada para armazenar os quadros da animação do movimento dos personagens. Isso de vez em quando fazia eles desaparecerem da tela por alguns milésimos de segundos e reaparecerem em outro ponto mais à frente. Chamamos isto de Tele-transporte. Um terceiro defeito, desta vez na rotina de detecção de colisão, fazia com que o personagem principal pudesse atravessar as paredes em alguns pontos. Este foi prontamente batizado com o nome “Ladrão Fantasma”.

Deixando a nostalgia de lado por um momento, o fato é que os nomes humanizavam todo o trabalho desde a detecção até a eliminação dos defeitos, do mesmo modo que os nomes de domínio humanizam os endereços na Internet (e as pessoas acabam usando os mecanismos de busca para levar a idéia ainda mais adiante). Para um computador é simples enviar uma requisição para 200.186.109.162, mas para uma pessoa é mais simples entrar no thiagoarrais.wordpress.com (e muita gente acha ainda mais simples buscar por “Mergulhando no Caos”). Do mesmo modo, pode ser natural para uma máquina marcar como resolvido o registro referente ao bug #1376, mas para um humano é mais natural levantar do lugar e dizer “Consertei o Moonwalker”.

O Motiro institucionaliza esta prática. Os “bugs” nele são chamados “sugestões de recurso” e toda sugestão de recurso é uma página wiki. Como qualquer outra página wiki, elas têm um título: um nome que precisa ser informado por quem registra ou edita um bug. Se a pessoa não estiver se sentindo muito criativa na hora, pode deixar de preencher o título e a página receberá um número.

Os demais sistemas de acompanhamento de que tenho notícia costumam usar um número para se referir aos bugs e disponibilizam um sumário para humanizar um pouco a coisa. O Motiro é o único que conheço que elimina os números de bug em favor dos títulos. O fato de nenhum outro sistema do tipo fazer isto pode significar duas coisas: ou esta é uma daquelas idéias que parecem ridiculamente óbvias depois que alguém as têm (como o Ovo de Colombo), ou é uma péssima idéia mesmo.

Se você parar para pensar, defeitos são coisas que se quer eliminar o mais rápido possível. Algo que você não quer andando por aí durante muito tempo. Se uma barata aparece na sua cozinha, você vai lá e mata. Não fica inventando nomes fofinhos e engraçadinhos para a intrusa. Se os defeitos são detectados e corrigidos rapidamente, não faz muito sentido perder tempo bolando nomes.

Por outro lado, os recursos para eliminação de defeitos são limitados. Pode ser que o chinelo não esteja por perto na hora que a barata aparece, pode ser que você tenha um pavor gigantesco de baratas e não consiga fazer nada além de gritar e correr ou pode ser que você precise estudar bastante antes de entender alguma tecnologia. Quando não é possível corrigir todos os defeitos ao mesmo tempo, alguns deles precisam existir por mais tempo que os outros e podem ganhar nomes.

Além disso, bugs neste contexto não são somente defeitos. Podem ser também sugestões de novos recursos e comentários para melhoria. Neste caso, também volta a fazer sentido batizar estas coisas. Algumas dessas sugestões podem precisar ser amadurecidas e um nome é uma boa forma de se referir a elas.

De qualquer modo, o fato de nenhum sistema atual favorecer as palavras em detrimento dos números é intrigante. Afinal, pessoas geralmente lembram melhor das palavras do que dos números, não?

E você? Costuma batizar seus bugs?

2 Responses to “Você batiza seus bugs?”


  1. 1 Walter Cruz 19/maio/2007 às 21\0909

    Sabe que não é uma má idéia?

    Chapa, eu testei e usei o motiro menos que gostaria. Mas acho fantástica a idéia de nominar os bugs!

  2. 2 sandro 05/fev/2008 às 13\0116

    qdo o sistema está 100% “bugado”, vc pode batizar ele como sistema kinder ovo.. sempre terá uma surpresa dentro :-))


Comments are currently closed.




%d blogueiros gostam disto: