Comunidade Eclipse lisonjeada

Parece que a Microsoft anunciou esta semana a nova versão do Visual Studio. Antigamente ele era um ambiente de desenvolvimento, mas agora parece que vai ser uma plataforma para várias aplicações. Pelo que pude encontrar de cobertura on-line, parece que agora eles querem produzir uma plataforma extensível para ferramentas de desenvolvimento. A idéia básica é usar o alicerce do Visual Studio para construir aplicações como plugins. Mais ou menos como o Eclipse vem fazendo desde os tempos memoráveis da versão 2.0, lá pelos idos de 2002. Qual será a próxima? Construir aplicativos de propósitos diversos sobre a plataforma Visual Studio? Algo como Eclipse RCP, que está disponível desde a versão 3.0 (que saiu mais ou menos em 2004)?

Ian Skerret, diretor de marketing da Fundação Eclipse está mais do que certo em afirmar que a cópia é a forma mais sincera de admiração. Todas as organizações e indivíduos que formam a comunidade de desenvolvedores da plataforma Eclipse devem estar lisonjeados. Afinal de contas quando os seus competidores mergulham com tanta vontade nesse tipo de perseguição gato-e-rato, eles estão involuntariamente dizendo que você estava certo o tempo todo.

Os fornecedores externos interessados em construir sobre esta nova plataforma devem estar ansiosos para que a brincadeira continue. Talvez eles consigam um pouco do ambiente colaborativo, da abertura e da flexibilidade que o Eclipse já experimenta há anos. Porém, tendo em vista os recentes desdobramentos do caso TestDriven.NET, parece que isso não vai acontecer muito cedo.

5 Responses to “Comunidade Eclipse lisonjeada”


  1. 1 Andre Furtado 12/jun/2007 às 15\0345

    Permita-me fazer um adendo/correção: o suporte a plugins e extensibilidade do VS.NET é algo que já existe desde 2002. Portanto, a afirmação de que “antes era um ambiente de desenvolvimento mas *agora* é uma plataforma para várias aplicações” é imprecisa.

    A novidade agora é o que chamam de Visual Studio *Shell*, que melhora o modo como as extensões/plugins podem ser publicados e integrados com a ferramenta. Mais detalhes em http://thespoke.net/blogs/afurtado/archive/2007/06/05/987237.aspx.

    Informações sobre a extensibilidade do VS em geral está em http://msdn2.microsoft.com/en-us/vstudio/aa700819.aspx

    []s
    — AFurtado

  2. 2 thiagoarrais 12/jun/2007 às 15\0357

    Então o negócio já existia desde 2002, mas agora estão levando a sério e fazendo estardalhaço? De qualquer modo é algo para deixar o Eclipse lisonjeado, já que extensibilidade tem sido uma das maiores prioridades da plataforma desde o início.

  3. 3 Andre Furtado 20/jun/2007 às 20\0833

    Se você interpreta a evolução natural de software como “levar a sério e fazer estardalhaço”, sim, é isso que estão fazendo…

    :)

    []s
    — AFurtado

  4. 4 thiagoarrais 20/jun/2007 às 20\0847

    Então a coisa já existia de alguma forma embrionária desde 2002 e só agora notaram que a evolução natural seria levar a sério a idéia de plugins escritos por terceiros, depois que outra plataforma tornou-se um sucesso justamente por causa desta idéia.

    O que faz esta evolução ser natural agora e não no passado?

  5. 5 Andre Furtado 27/jun/2007 às 20\0829

    – A evolução não se tornou natural *agora*
    – O que existia antes não era *embrionário*

    Não estou querendo medir forças entre as plataformas/ferramentas (a comunidade de plugins para o Eclipse deve ser maior), apenas apontando o que interpretei como uma imprecisão no texto.

    PS: a “novidade Visual Studio Shell” é algo que vem a acrescentar a um modelo de extensibilidade antes já existente, vale a pena dar uma olhada nos links.

    []s
    — AFurtado


Comments are currently closed.




%d blogueiros gostam disto: