Assinar acordos não é entrar em acordo

Toda equipe que desenvolve software já deve ter descoberto que “o entendimento dos requisitos deve ser alcançado.” Eles podem ter lido isso em algum lugar ou simplesmente enxergado algo que é óbvio demais para ser ignorado por qualquer mente saudável. Não importa como chegaram a tomar conhecimento disso, o importante é que qualquer pessoa que se propõe a resolver o problema de outra sabe que precisa entender razoavelmente bem o que está querendo solucionar. A questão interessante é desenvolver uma maneira eficiente de fazer isso.

Uma alternativa que faz muito sentido é tentar escrever e assinar junto com os clientes um belo documento que descreva detalhadamente os requisitos. Esta estratégia parece bastante natural porque a maioria das pessoas já está bem familiarizada com assinaturas e contratos. Afinal não é exagero dizer que este tipo de formalização vem sendo usado há séculos nos mais variados campos de atividade.

Acordo ilusórioPor causa disso não é muito intuitivo pensar que esta abordagem tem um alto potencial para falta de entendimento. Como as coisas estão somente descritas e não há algo realmente tangível para guiar as opiniões, o entendimento depende totalmente da interpretação do texto e é possível que cada uma das partes tenha uma idéia diferente do objeto do acordo na hora da assinatura. Para que um acordo verdadeiro seja firmado, é essencial que ambas as partes estejam pensando na mesma coisa. Sem isso o máximo que se consegue é uma ilusão. Por causa do papel crucial da interpretação do texto, é comum que este tipo de engano ocorra ao usar apenas documentos. Apesar disso as assinaturas geralmente são aceitas como evidências de acordo.

Documentos fazem muito sentido quando o desenvolvimento do produto final precisa levar muito tempo. Quando isto é verdade o registro por escrito dos requisitos é uma opção aceitável. Há o risco de um acordo ilusório, mas ele é menos prejudicial para ambas as partes do que o cancelamento da empreitada. Porém quando os requisitos podem ser suficientemente pequenos e a equipe tem um processo de desenvolvimento suficientemente enxuto, as necessidades do cliente podem ser identificadas na segunda-feira e estarem materializadas em software rodando na sexta-feira seguinte (se é que software pode ser materializado). Quando isto é possível não faz mais sentido utilizar documentos e correr o risco de um falso acordo porque o produto final pode ser usado como objeto do acordo.

Software em execução é a forma mais incontestável de entendimento dos requisitos. Ninguém pode dizer que a equipe de desenvolvimento e o cliente não estão de acordo quando eles concordam sobre o produto final. Não há mais o que refinar, portanto não há mais onde discordar.

2 Responses to “Assinar acordos não é entrar em acordo”


  1. 2 boreiajr 23/jul/2007 às 19\0730

    A imagem ilustrou bem o que você disse. Sensacional!


Comments are currently closed.




%d blogueiros gostam disto: